terça-feira, 1 de janeiro de 2019

Bolsonaro toma posse como presidente da República

Jair Messias Bolsonaro (PSL), 63, tomou posse como o 38º presidente do Brasil às 15h15 desta terça-feira (1º), em cerimônia no Congresso Nacional, para o mandato entre 2019 e 2022. Emocionado, ele acompanhou a execução do Hino Nacional antes de fazer o juramento constitucional e assinar o termo de posse. Em seguida, fez seu primeiro discurso no novo cargo.

Às 16h35, teve início o cerimonial rumo ao Palácio do Planalto. Após descer a rampa do Congresso ao lado dos presidentes do Senado, Eunicio Oliveira (MDB-CE), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), Bolsonaro ouviu novamente o Hino e passou as tropas em revista. Às 17h01, após subir a rampa do Planalto acompanhado da primeira-dama, Michelle, do vice, Hamilton Mourão e da mulher dele, Paula, Bolsonaro recebeu a faixa presidencial das mãos do agora ex-presidente Michel Temer (MDB). 

Na Praça dos Três Poderes, milhares de pessoas se agitaram com a presença do novo presidente ao som de "o capitão chegou", entre outros cantos. A primeira-dama também teve seu nome bastante exaltado pelos presentes e levou o público ao delírio ao quebrar o protocolo e fazer, em libras, um discurso próprio, direcionado a pessoas com deficiência auditiva.

A ode à família Bolsonaro se confundiu com vaias a Temer. De dentro do Palácio, porém, os convidados presentes batiam palmas e gritavam o nome do emedebista.

Após subir a rampa do Planalto e ser anunciado pelo mestre-de-cerimônias como presidente da República, Jair Bolsonaro foi bastante aplaudido pelos convidados no salão nobre aos gritos de "mito". Seu discurso, já no parlatório, foi interrompido diversas vezes pelas palmas do público e por um ato do próprio presidente, que rodou no alto uma bandeira do Brasil entregue a ele minutos antes pelo futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM).

"Essa é a nossa bandeira e jamais será vermelha. Só será vermelha se for preciso o nosso sangue", disse Bolsonaro ao final de seu discurso. 

InfoJus BRASIL: Com informações do Portal Uol

13 comentários:

  1. Agora sim, temos um presidente de verdade. Com certeza o nosso porte de armas será aprovado em breve.

    Parabéns capitão Bolsonaro !!

    ResponderExcluir
  2. Será que o PLC 30/2007 finalmente será aprovado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade, o PLC 30/2007 foi definitivamente arquivado. Não existe mais. Agora temos de lutar por outro projeto de lei.

      Excluir
  3. Pensei que aqui fosse um site para falar sobre notícias relacionadas aos Oficiais de Justiça e não sobre posse de políticos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É apenas uma notícias, sem valoração política. No caso, um dos pleitos históricos dos oficiais de Justiça (porte de arma) já foi tratado com o então deputado Bolsonário e à época ele disse que se pudesse dava com toda certeza o porte de arma para os oficiais de Justiça. Qualquer troca de presidente é importante para nossos pleitos, muda tudo, toda a estratégia, por isso é notícia importante para a categoria.

      Excluir
    2. Caro colega, infelizmente parece que você é esquerdista, se não gosta da matéria não acesse o site dos oficiais, fique sabendo que seu pessoal da esquerda sempre prejudicou nossa carreira de OJ, vetando nossos projetos e engavetando tudo que era a favor dos OJ, além de terem traído o Brasil com sua corrupção desenfreada. O atual Presidente Bolsonaro é um homem de bem que está tentando resgatar a moral de nosso país, além de nos ajudar no exercício de nossas funções como OJ. A notícia é pertinente sim. Se você não aguenta ver a notícia mude-se do Brasil e vá pra Cuba fumar charuto com seus compatriotas comunistas.

      Come disse Bolsonaro em sua honrosa posse (mostrando a bandeira do Brasil):


      “Essa é a nossa bandeira, que jamais será vermelha. Só será vermelha se for preciso o nosso sangue para mantê-la verde e amarela”.

      Excluir
    3. Prezado Dino, entendi a sua colocação, mas o presidente foi contra o porte dos fiscais ambientais. Bom saber que já houve esse nivelamento prévio. Contudo, na notícia não houve menção a esse fato, o que pode causar interpretações equivocadas como a do colega acima, que diante do meu comentário falou de Cuba, moral, charuto, comunismo. Palavras impertinentes ao tema debatido.

      Excluir
    4. O Bolsonaro já nos recebeu em Brasília quando era deputado federal e disse que se pudesse daria o porte para os oficiais de Justiça. Estamos no começo do governo e recesso parlamentar. Este ano será o ano do nosso porte de arma, se Deus quiser.

      Excluir
  4. REGIMENTO INTERNO DO SENADO:
    Art. 332.

    "§2º Na hipótese do § 1º, se a proposição desarquivada não tiver a sua tramitação concluída, nessa legislatura, será, ao final dela, arquivada definitivamente."

    OU SEJA, O PLC 30/2007 (PORTE DE ARMA PARA OFICIAS DE JUSTIÇA) NADOU, NADOU, NADOU E MORREU NA PRAIA.

    AGORA TEMOS QUE LUTAR POR OUTRO PROJETO DE LEI.

    ALGUMA IDEIA ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Colega, acho que as federações de Oficiais de Justiça poderiam pedir ao Bolsonaro que editasse uma medida provisória só nossa, pois esse PLC 30-2007 é complicado demais, nele constam muitas categorias que não possuem atividade de risco ao exemplo do absurdo de se dar porte de armas a defensor público (absurdo), que nada mais são do que um bando de advogados públicos metidos a besta, além de outras funções como peritos médicos da previdência, Acho que essas carreiras que constam no PL é que fizeram o nosso porte não sair lá do Senado.

      Excluir
    2. Basta que qualquer Senador requeira o desarquivamento do PLC 30/2007 e começará a tramitar de onde parou. Na comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, depois Plenário e Sanção. Mas para isso é preciso que nossas entidades pressionem.

      Excluir
  5. Seria bom, talvez, acho eu, que, com essas mudanças previdenciárias todas pretendidas, a gente tenha, por cautela, um porte, digo aposentadoria especial, na manga.

    ResponderExcluir

Comente:

Postagens populares