terça-feira, 31 de outubro de 2017

SITRAEMG participa de Encontros do CONAS e do COJAF em Brasília


No primeiro dia, os debates foram sobre temas de interesses comuns para os dois segmentos.

Foram realizados no último fim de semana (dias 28 e 29/10, sábado e domingo), no hotel San Marco, em Brasília (DF), dois eventos da Fenajufe: o 10º Encontro Nacional do Coletivo dos Oficiais de Justiça Avaliadores Federais (COJAF) e o 6º Encontro do Coletivo dos Agentes de Segurança Federais (CONAS).

A filiada do SITRAEMG Luciana Tavares

Estiveram presentes, como representante do SITRAEMG: pelos oficiais de justiça, o coordenador regional Olavo Antônio de Oliveira, lotado na Justiça Militar em Juiz de Fora, e a filiada Luciana Tavares de Paula, lotada na Justiça Federal em Belo Horizonte, ambos representantes do Núcleo dos Oficiais de Justiça do Sindicato. A filiada Paula Meniconi, que é servidora da Justiça do Trabalho e membro do Conselho Fiscal do Sindicato, também esteve presente, mas como representante da Fenassojaf.

O coordenador regional Olavo Antônio de Oliveira

Representando os agentes de segurança, participaram os filiados Elvécio Loiola da Silva Rocha, Carlos Roberto Ribeiro Souza e Sérgio Luiz Procópio, todos do TRT, também da capital.

A filiada Luciana (3ª a partir da esquerda), com outras participantes do evento

A seguir, um resumo dos acontecimentos de ambos os encontros, a partir de relatos dos oficiais de justiça Olavo Antônio Oliveira e Luciana Tavares de Paula:

Unificado no primeiro dia

“Inovando, os representantes dos Coletivos propuseram uma nova forma de debate.

No primeiro dia, houve um evento conjunto, com a participação de oficiais de justiça e agentes de segurança, sendo tratados temas comuns de ambos os segmentos.

Às 10 horas, após abertura do evento, o advogado Renato Borges, especialista em Direito Previdenciário, fez uma explanação sobre a Reforma da Previdência, mostrando os efeitos nefastos da PEC 287/16, bem como as mentiras que o governo tem colocado na mídia para enganar a população. Discorreu, também, sobre o PLP 330/2006, que trata da aposentaria especial dos oficiais de justiça.

Após o intervalo do almoço, a palestra foi sobre segurança. Antônio Donizete Ferreira da Silva, chefe da Seção de Segurança Institucional do TRT da 2ª Região, fez uma demonstração da atuação dos agentes de segurança em São Paulo, inclusive no apoio aos oficiais de justiça quando do cumprimento de mandados em área de risco ou situações que requerem maior atenção quanto à segurança, como nos casos de reintegração de posse e busca e apreensão de bens. Na mesma palestra, Thiago Duarte Gonçalves, presidente da Associação dos Oficiais de Justiça Avaliadores Federais da Justiça do Trabalho da 2ª Região (Aojustra), prestou informações sobre o desvio de função que atualmente ocorre no TRT2, onde vários oficiais foram lotados nas VTs.

A última palestra do dia foi sobre o pleito comum dos segmentos: porte de arma. Foram apresentados os projetos de lei que tratam do assunto, bem como sua situação atual”.

COJAF

“No dia 29/10, os Encontros do COJAF e CONAS foram separados.


No do COJAF, foram apresentados alguns temas por um dos coordenadores, seguindo-se de debates e construção de encaminhamentos para instâncias da Fenajufe. No período da manhã, o assunto discutido foi a defasagem da IT (Indenização de transporte), sendo apresentadas propostas de reajuste, tendo em vista seu congelamento por vários anos.

Durante os debates, o coordenador regional Olavo Antônio Oliveira convocou todo o segmento de oficiais de justiça para a luta contra a Reforma da Previdência e os ataques do governo ao funcionalismo público, salientando a importância da luta conjunta de toda categoria do Poder Judiciário da União (PJU).

Luciana Tavares de Paula ressaltou a importância do protagonismo do segmento nas lutas gerais da categoria, que conta com um histórico de participação maciça dos oficiais de justiça.

Temas gerais discutidos no primeiro dia dos dois eventos e no segundo dia de debates específicos do COJAF:
Luta contra a Reforma da Previdência;
Luta contra o fim da estabilidade no serviço público;
Luta contra a precarização da JT;
PEC 414/2014;
PJe: consequências na vida dos Oficiais;
Plantões;
Desvio de função;
Cargo específico de Oficial de Justiça;
Preenchimento dos cargos vagos;
Limitação de mandados e quilometragem percorrida pelo Oficial de Justiça;
Valorização do Vencimento Básico – VB;
IT: defasagem e relatórios.”

Fonte: SITRAEMG

Reclamante e testemunha são condenadas por má-fé após visita in loco de oficial de justiça

Justiça do Trabalho

Para juiz, ficou “clara e nítida” a vontade de induzir o Juízo em erro.


Uma reclamante e sua testemunha foram condenadas por má-fé, após diligência do oficial de justiça constatar, in loco, que elas estavam mentindo sobre a falta de recibo no relógio de ponto. Para o juiz do Trabalho Vinicius Jose de Rezende, da 4ª vara de Barueri/SP, que determinou a diligência do oficial durante a audiência, ficou “clara e nítida” a vontade de induzir o Juízo em erro.


Em depoimento, a reclamante alegou que, apesar de fazer o registro de jornada por meio de biometria, o relógio de ponto não expedia recibo e que, desta forma, o horário de entrada era correto, mas, quanto à saída, fazia a marcação e continuava trabalhando. Afirmou também que apesar fazer apenas 30 minutos de intervalo, ela era obrigada a registrar uma hora. Além disso, argumentou que enquanto trabalhou na parte de frios do estabelecimento reclamado nunca usou japona térmica, pois “normalmente não havia” e quando havia, “somente havia uma disponível para todos os setores”.

O depoimento do representante do reclamando registou o contrário: que existia a expedição de recibo das marcações de ponto, que após a marcação do horário de saída no relógio não há mais trabalho; e que cada câmara fria conta com, no mínimo, 3 japonas.

Ante a clara e dissonante versão entre as partes, o juiz, durante a audiência, recolhendo os celulares dos presentes para não haver comunicação externa, determinou com urgência que o oficial de justiça da vara cumprisse diligência de verificação in loco das condições de trabalho. 

No local, o oficial de justiça constatou que: 1) nenhum empregado que estava laborando estava sem o registro de ponto ativo; 2) o cartão de ponto emite recibo de marcação desde fevereiro de 2015; 3) há 7 conjuntos de calças e japonas para câmara fria.

Após o relato do oficial, o juiz fez a acareação entre os depoimentos. A testemunha da reclamante afirmou que a máquina de ponto nunca expediu recibo e, por sua vez, a testemunha do reclamado alegou o contrário.

Para evitar maiores delongas sobre o assunto, e para conferir, vez mais o ocorrido, o juiz decidiu que faria a inspeção judicial in loco e suspendeu a audiência. Contudo, após ele se preparar para a inspeção judicial, a testemunha da reclamante refez seu depoimento, alegando que a máquina de ponto expedia, sim, recibo, mas nem sempre.

Ante todo o acontecimento, considerando a CLARA e NÍTIDA vontade de induzir o Juízo em erro, o magistrado aplico à testemunha a multa de litigância de má-fé, no de R$ 1.800,00 (5% sobre o valor de causa, que é de R$ 36.000,00). Por consequência, ressaltou que irá desconsiderar por completo o depoimento testemunhal quando da prolação da sentença. Além disso, pontuou que deixaria de encaminhar ofícios à Delegacia da Polícia Federal pois houve a retratação antes da prolação da sentença, nos termos do art. 342 do CP.

Em relação a reclamante, mesmo após todo o ocorrido, inclusive com retratação da testemunha, ela manteve sua versão de que a máquina de ponto não expedia recibo e também foi condenado por má-fé no valor de R$ 1.800.

“A autora manteve a versão em tela de que NÃO EXPEDIA recibo, mesmo com as duas testemunhas indicando em sentido contrário. Ainda, o oficial de justiça TAMBÉM observou que há, sim, a expedição de recibo da marcação. Pelo exposto, aplico à autora (...) a multa de litigância de má-fé.”

Veja a íntegra.

Fonte: Migalhas

TJGO: antecipação de despesas de locomoção de oficiais de Justiça agiliza ações de execução fiscal

Medida recente tomada pela Corregedoria-Geral da Justiça de Goiás (CGJGO), no que tange ao recolhimento prévio das despesas de locomoção dos oficiais de Justiça do Estado de Goiás por parte da Fazenda Pública para cumprimento dos atos judiciais, tem contribuído para dar celeridade às ações de execução fiscal e diminuir a taxa de congestionamento processual. Por meio do Ofício Circular nº 128/2017, assinado pelo corregedor-geral da Justiça de Goiás, desembargador Walter Carlos Lemes, que orienta os magistrados a respeito do verdadeiro alcance do Ofício Circular nº 103/2015, uma nova interpretação com a devida aplicabilidade foi dada à questão, uma vez que o documento anterior ressaltava tão somente as custas e os emolumentos, sem deixar claro o pagamento antecipado do transporte dos oficiais. 

“As despesas com a locomoção dos oficiais de Justiça não têm natureza tributária das custas e dos emolumentos, uma vez que se trata de verba indenizatória para que os servidores não precisem dispender de recursos próprios para o cumprimento dos mandados judiciais”, explicou o juiz Cláudio Henrique Araújo de Castro, 3º auxiliar da Corregedoria. Em termos práticos, segundo pontua Cláudio Castro, os efeitos dessa iniciativa impactam diretamente na celeridade dos processos de execução fiscal, paralisados justamente pela falta de cumprimento nas diligências e devolução dos mandados pelos oficiais de Justiça. “Milhares de ações no âmbito fiscal voltaram a tramitar após essa decisão da Corregedoria. Consequentemente também houve redução na taxa de congestionamento com o andamento processual e arquivamento de processos”, enfatizou.

Outro aspecto positivo acentuado pelo magistrado com a recomendação da CGJGO é justamente afastar o risco dos oficiais de Justiça sofrerem processos disciplinares. “Não é justo que o profissional tenha que pagar do próprio bolso para cumprir determinado ato judicial e acabar inclusive sofrendo processos disciplinares. Elucidando essa questão, eles não estarão sujeitos a tais penalidades”, afirmou. Por outro lado, menciona ainda a Resolução nº 152/2012 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que, ao disciplinar a matéria, estabelece que os tribunais devem incluir nas respectivas propostas orçamentárias verba específica para custeio das despesas de oficiais de Justiça para o cumprimento das diligências requeridas pela Fazenda Pública, Ministério Público ou beneficiário da assistência judiciária. “Os Tribunais devem incluir a sua proposta de orçamento somente aquelas despesas que são de responsabilidade do Estado, como, por exemplo, os processos de competência da Justiça Estadual no bojo das quais foram deferidos os benefícios da assistência judiciária, daqueles em que houve pedido de diligência ou de ações protocoladas pelo Ministério Público Estadual, bem como as causas de seu interesse, oriundos da Fazenda Pública Estadual”, evidenciou. (Texto: Myrelle Motta - assessora de imprensa da Corregedoria-Geral da Justiça de Goiás)

Fonte: TJGO

Seminário da Assojepar discute a valorização dos Oficiais de Justiça

Até o dia 07 de novembro a Assojepar recebe inscrições para o Seminário Valorização dos Oficiais de Justiça. A solicitação para participar da atividade deve ser encaminhada diretamente à associação pelo email laura@assojepar.org.br ou pelo telefone 41.3352.5346. A programação geral será divulgada em breve.

A participação da categoria na atividade é fundamental neste momento em que o Tribunal de Justiça do Paraná implanta Centrais de Mandados nas comarcas e o excesso da carga de trabalho é alarmante.

Não menos importante, os oficiais devem tomar uma posição sobre a regularização da forma de remuneração. Um dos caminhos é a transformação das custas em um adicional e o aumento da indenização de transporte. Esta proposta já foi tema de encontro ocorrido em Guarapuava e já foi apresentada ao Tribunal de Justiça. Entretanto, diante dos últimos acontecimentos, se faz necessária uma urgente e profunda reavaliação sobre o assunto.

O Seminário acontece no dia 10 de novembro, em Curitiba, no Hotel Condor (Av. Sete de Setembro nº 1866, em frente ao Mercado Municipal). O Seminário é aberto a todos. Os associados terão as despesas custeadas pela entidade e quem precisar de hospedagem deve informar no ato da inscrição. Àqueles que reservarem hotel e no dia da atividade não comparecerem, deverão pagar as despesas de hospedagem e alimentação.

InfoJus BRASIL: Com informações da Assojepar

Oficial de Justiça sofre acidente durante o cumprimento de diligência em Minas Gerais

A Oficial de Justiça do TRT da 3ª Região (MG), Elimara Cardoso Bernardes Gaia, sofreu um acidente automobilístico na última quinta-feira (26) enquanto retornava de uma diligência. O veículo que provocou o acidente seguiu viagem sem sequer se preocupar se havia vítimas.

Apesar de o carro em que Elimara ter capotado, felizmente, ela não sofreu ferimentos mais graves e já se recupera. 

O carro capotou quando a Oficial lotada na Vara de Divinópolis retornava de uma diligência que acabara de realizar em local dentro da sua jurisdição.

Em um relato divulgado pelo Sitraemg, Elimara reafirma a profissão de risco, uma vez que “os Oficiais de Justiça estão sempre sujeitos aos riscos de acidentes automobilísticos, assaltos, dentre outros. É uma profissão de alto risco, o que não é reconhecido legalmente”.

Confira, abaixo, o relato da Oficial de Justiça:

“Os oficias de justiça estão sempre sujeitos aos riscos de acidente automobilísticos, assaltos, dentre outros. É uma profissão de alto risco, o que não é reconhecido legalmente. 

Felizmente, não sofri nada mais grave, contraindo apenas uma lesão na coluna, apesar da perda total de meu veículo, após me livrar de uma colisão frontal, em razão de uma ultrapassagem ilegal feita por um motorista irresponsável. Eu me vi obrigada a desviar o meu carro, que veio a capotar. 

Esses são os infortúnios que acometem com a profissão do oficial de justiça e que deveriam ser reconhecidos como riscos profissionais para efeito de aposentadoria especial e direito aos adicionais de insalubridade e de periculosidade, uma vez que estamos expostos aos perigos constantes: exposição ao sol e às chuvas, trânsito das rodovias, assaltos etc.. A função do oficial, já está mais do que provado, é de alto risco.

E não podemos nos esquecer do fato de que trabalhamos com nosso próprio veículo, e ainda custeamos todas as despesas: de abastecimento, manutenção, impostos, seguro e outros.

Por essas e outras razões, aconselho todos os oficias de justiça que vierem a ser acometidos por algo inusitado – acidente automobilístico, assaltos, cárcere privado, etc. – a comunicarem o fato ao seu sindicato, associação e tribunal, pois temos que relatá-los, a fim de que sirvam para os levantamentos estatísticos que são feitos e para a consequente busca das devidas soluções”.

com o Sitraemg

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

CNJ Serviço: o que fazem os oficiais de justiça?

Oficial de justiça pode intimar, conduzir coercitivamente, avaliar bens, notificar decisões judiciais. FOTO: Gil Ferreira/ Agência CNJ

Intimar, conduzir coercitivamente, avaliar bens, notificar, prender. Essas são algumas das tarefas realizadas pelos oficiais de justiça -- servidores concursados -- vinculados aos tribunais estaduais e federais, que têm como missão dar, pessoalmente, cumprimento a ordens judiciais.

Esses profissionais têm direito a gratificação de risco de vida e indenizações de transporte, uma vez que estão expostos à situação perigosas e costumam utilizar seus veículos particulares para executarem o serviço. Além disso, têm liberdade para cumprir suas cargas horárias fora do ambiente forense. Nos mandados de matéria cível, eles podem trabalhar de segunda a sábado, das 6h às 20h, ou em qualquer horário e dia caso tenham autorização especial. No caso de matéria criminal, as ordens podem ser cumpridas em qualquer horário e dia. 

O prazo para o cumprimento dos mandados é, em regra, de 20 dias a partir da distribuição. O trabalho do oficial de justiça não termina com o cumprimento da ordem do juiz. Cumprido o mandado, é preciso fazer o relatório detalhado com informações sobre a diligência. 

Entre as diversas funções externas desenvolvidas pelos oficiais de justiça duas se destacam: a citação e a intimação. Prevista no artigo 238 do Código de Processo Civil, a citação é definida como “o ato pelo qual são convocados o réu, o executado ou o interessado para integrar a relação processual”. Caso essa etapa não seja executada, o processo pode ser considerado nulo. A intimação, por sua vez, prevista no artigo 269, tem duplo objetivo: dar ciência de atos ou termos do processo e convocar a parte a fazer ou abster-se de fazer alguma coisa.

Os oficias de justiça realizam ainda trabalho fundamental em casos complexos, como reintegrações de posse, busca e apreensão e até mesmo no cumprimento das medidas protetivas previstas na Lei Maria da Penha.

Fonte: CNJ

domingo, 29 de outubro de 2017

1º Conojusp


Oficiais de Justiça se reúnem em Brasília para o encontro do Cojaf da Fenajufe

Oficiais de Justiça de diversas regiões do Brasil estão em Brasília, a partir deste sábado (28), para o Encontro do Coletivo Nacional dos Oficiais de Justiça (COJAF) da Fenajufe.

Os debates aconteem no San Marco Hotel e, neste sábado, será em conjunto com o Coletivo dos Agentes de Segurança (Conas). Já no domingo, a reunião é somente com os Oficiais de Justiça.

Segundo a Fenajufe, o Encontro do COJAF “tem por atribuição discutir e deliberar sobre reivindicações específicas do segmento dos Oficiais de Justiça Avaliadores Federais, voltadas para o aperfeiçoamento de suas atividades, defesa de prerrogativas e salvaguardas, além de projetos de lei ou de regulamentos e outros assuntos pertinentes, no âmbito do Judiciário Federal”.

Dentre os temas que serão abordados nos dois dias de COJAF estão Aposentadoria Especial, a Experiência do TRT-2 na segurança dos Oficiais de Justiça – o Ato nº 05/2017, Porte de Arma, PEC 414/2014, Ferramentas Eletrônicas, entre outros.

A Fenassojaf estará presente no Encontro do Coletivo da Fenajufe representada pelas diretoras Juscileide Maria Rondon e Paula Drumond Meniconi.

O vice-coordenador da região Centro-Oeste, Gerardo Alves Lima Filho, é um dos responsáveis pelo Coletivo e também estará nos debates promovidos em Brasília.

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Oficiais de Justiça de Rio Claro são premiados na 6ª Mostra de Boas Práticas do TRT-15

O TRT-15 realizou, na tarde da última terça-feira (24), a premiação referente à 6ª Mostra de Boas Práticas do Regional.

Realizado no Plenário da Corte, o evento, que integra a Semana do Servidor da 15ª Região, reuniu magistrados e servidores, além de secretários e diretores de secretaria das Corregedorias da Justiça do Trabalho da 5ª (BA), 8ª (PA e AP), 10ª (DF e TO), 11ª (AM e RR), 12ª (SC), 13ª (PB), 14ª (AC e RO), 20ª (SE) e 21ª (RN) Regiões.

Segundo o Tribunal, a Mostra, realizada anualmente desde 2012, visa reconhecer iniciativas individuais ou coletivas de servidores da 1ª Instância que demonstrem resultado comprovado, o uso racional de recursos e que tenham impacto direto na otimização dos processos de trabalho e/ou na melhoria da qualidade dos serviços prestados. A ideia é que as boas práticas sejam compartilhadas no âmbito do Regional, com a uniformização dos procedimentos para toda a primeira instância.

Na categoria "Oficial de Justiça", a prática premiada foi "Contribuição do Oficial de Justiça para a formação de pauta efetiva de mediação", uma iniciativa de Renato Fernandes de Oliveira (foto) e André Luiz Fernandes Rocha, da VT de Rio Claro.

A vice-Corregedora Regional, Desembargadora Susana Graciela Santiso, fez a entrega da placa de reconhecimento aos servidores, que receberam também um regalo da Assojaf 15.

Com a Assojaf-15 e Fenassojaf

TRT do Rio Grande do Sul oferece curso de comunicação em diligências

O Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) abriu inscrições para o curso Comunicação em Diligências – Um enfoque pacificador.

Segundo informações da Assojaf/RS, o treinamento será presencial e ministrado por colegas Oficiais de Justiça lotados no TRT da 9ª Região que já promoveram curso a distância para os Oficiais do Rio Grande do Sul.

Para o curso Comunicação em Diligências foram oferecidas 150 vagas, parte delas, para os Oficiais da Justiça Federal.

De acordo com o presidente da Assojaf, Eduardo Virtuoso, esta é uma oportunidade de reciclagem e troca de ideias entre os Oficiais de Justiça. “Não deixem para a última hora! Vamos aproveitar a oportunidade para nos reciclarmos e trocar ideias”, finaliza. 

com informações da Assojaf/RS e Fenassojaf

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Oficiais de Justiça de Roraima participam de capacitação sobre avaliação de bens à luz do novo CPC

A Escola do Poder Judiciário de Roraima concluiu nesta quarta-feira (25) mais um treinamento de formação continuada para fins de aperfeiçoamento de servidores. Trata-se do curso Avaliação de Bens para Oficiais de Justiça à Luz do NCPC, realizado no período de 23 a 25 de outubro, com carga horária de 24 horas/aula. O curso teve por objetivo o desenvolvimento de competências dos oficiais de justiça do TJRR no desempenho da atividade de avaliação de bens nos processos judiciais, garantindo a segurança jurídica necessária aos feitos que tramitam na justiça Estadual. Para tanto foram realizadas aulas expositivo-dialogadas e atividades práticas por meio de estudos de casos.

Todas as 24 vagas disponibilizadas para a capacitação foram preenchidas. De acordo com Hellen Matos, uma das participantes, foi possível aprofundar os conhecimentos acerca da avaliação de bens móveis, imóveis urbanos e rurais, benfeitorias, semoventes, dentre outros, assim como as respectivas normas técnicas, métodos de avaliação, critérios para valorização e depreciação dos bens a serem avaliados e também na elaboração do respectivo auto e laudo de vistoria, visando melhorias no cumprimento das determinações judiciais. "O curso foi excelente, ficamos muito satisfeitos com o conteúdo ministrado em sala, a professora e o material fornecido, certamente irá otimizar os serviços prestados pelos oficiais de justiça", afirmou.

De acordo com o oficial de justiça Luiz Cláudio o curso foi proveitoso, tendo em vista a larga experiência da professora. “Ela foi uma das idealizadoras da inserção do artigo no CPC, o qual traz ao oficial de justiça, mais essa atribuição de avaliar. Agora o oficial de justiça é avaliador. As informações trazidas no curso veio em boa hora, para que possamos oferecer uma prestação jurisdicional com mais qualidade à população. Parabéns ao Tribunal que tem a preocupação em nos qualificar, para fazermos um trabalho com mais qualidade”, disse.

Para ministrar o curso a EJURR trouxe a Boa Vista a facilitadora Asmaa Abduallah Hendawy, professora universitária, oficiala de Justiça avaliadora do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, atualmente vice-presidente do SINDOJUS/PA – Sindicato dos Oficiais de Justiça do Pará, doutoranda em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Del Museo Social Argentino – AR/Buenos Aires, além de palestrante em seminários jurídicos com público-alvo oficiais de justiça, em diversos temas.


InfoJus BRASIL: Com informações do TJRR

Temer veta uso de armas de fogo por agentes de trânsito

Brasília
Marcelo Brandão - Repórter da Agência Brasil

Por orientação do Ministério da Justiça, o presidente Michel Temer vetou integralmente o projeto de lei que autorizava o uso de armas de fogo por agentes de trânsito. Consultado pelo presidente, o Ministério da Justiça disse que a medida vai contra o que preconiza o Estatuto do Desarmamento e que os agentes referidos na proposta não exercem atividade de segurança pública.

“A proposta de alteração do Estatuto do Desarmamento vai de encontro aos objetivos e sistemática do próprio Estatuto, de buscar restringir o porte de arma de fogo aos integrantes das forças de segurança pública, nos termos do disposto no Artigo 144 da Constituição. Os agentes aos quais o projeto pretende autorizar aquele porte não exercem atividade de segurança pública e, no caso de risco específico, há possibilidade de se requisitar a força policial para auxílio em seu trabalho”, destacou o ministério, em nota.

Em seu veto, Temer expôs a justificativa do Ministério da Justiça e argumentou que sua decisão se dá “por contrariedade ao interesse público”.

O projeto foi aprovado no Senado em 27 de setembro, em votação simbólica, e seguiu para sanção presidencial. O projeto concedia porte de arma de fogo a agentes da autoridade de trânsito da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios que não sejam policiais. Guardas municipais nessa função também teriam o mesmo direito.

No Senado, o projeto havia recebido apoio de parlamentares tanto da base quanto da oposição.

Fonte: EBC BRASIL

terça-feira, 24 de outubro de 2017

PF recomenda deferimento de porte de arma de fogo a oficiais de Justiça que atuam em áreas perigosas ou cumpra medidas judiciais de risco

Diretoria Executiva da Polícia Federal recomenda aos Superintendentes Regionais o deferimento do porte de arma de fogo aos oficiais de Justiça que efetivamente atua em regiões de alta periculosidade ou cumpre medidas judiciais graves e de risco.


A Diretoria Executiva da Polícia Federal (DIREX/PF), no dia 19 de outubro, expediu a Mensagem Oficial Circular nº 05/2017-DIREX/PF em que recomenda aos Superintendentes Regionais da Polícia Federal que na análise do caso concreto, o deferimento do porte de arma de fogo aos oficiais de Justiça que efetivamente atua em regiões de alta periculosidade ou cumpre medidas judiciais graves e de risco.

A recomendação confere cumprimento quanto ao disposto no artigo 10 da Lei nº. 10.826, de 22 de dezembro de 2003 e parágrafo segundo do artigo 18 da Instrução Normativa 23/2005-DF/PF.

A Mensagem Oficial Circular nº 05/2017-DIREX/PF é uma reivindicação da Fojebra e de várias entidades (Sindojus) que se uniram com a denominação Unojus – União Nacional dos Oficiais de Justiça e no dia 15 de fevereiro foram até à Diretoria da Polícia Federal pedindo providências quanto aos constantes indeferimentos de porte de arma solicitados pelos oficiais de Justiça. O Presidente do Sindojus-PA e atual presidente da Fojebra Edvaldo Lima continuou em contato com a Polícia Federal e que culminou com a expedição da mensagem circular.

LEIA MAIS:



Determinada suspensão nacional de processos sobre revisão anual de servidores públicos

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a suspensão nacional de todos os processos que tratam de revisão geral anual da remuneração de servidores públicos. A decisão foi tomada nos autos do Recurso Extraordinário (RE) 905357, que teve repercussão geral reconhecida pelo Plenário Virtual. O RE foi ajuizado pelo governo de Roraima contra decisão do Tribunal de Justiça do estado (TJ-RR) que julgou procedente pedido de um servidor, concedendo a revisão geral anual de 5% referente ao ano de 2003.

O tema em debate no recurso é a existência de direito subjetivo à revisão geral da remuneração dos servidores públicos por índice previsto apenas na Lei de Diretrizes Orçamentárias, sem a correspondente dotação na Lei Orçamentária do respectivo ano.

Precedente

Ao analisar questão de ordem no RE 576155, lembrou o ministro Alexandre de Moraes, o Plenário do Supremo concluiu que nos recursos extraordinários com repercussão geral reconhecida, o relator pode sobrestar todas as demais causas sobre questão idêntica, com base no artigo 328 do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal (RISTF).

Admitido como amicus curiae (amigo da Corte) neste RE, o Distrito Federal informou que passa por situação semelhante à do Estado de Roraima e, diante disso, o ministro afirmou que a suspensão nacional é medida que se mostra “impositiva” no caso.

A decisão determina a suspensão nacional das causas que apresentem questão idêntica à tratada no RE. As demandas em fase instrutória podem prosseguir até a conclusão para sentença, ficando autorizada a resolução dos processos, desde que sem exame de mérito, concluiu o ministro Alexandre de Moraes.

Fonte: STF, em 23/10/2017 (Portal do Servidor)

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Senador Hélio José apresenta relatório final da CPI da Previdência e diz que não existe déficit na Previdência

Texto de Hélio José (PROS-DF) de 253 páginas conclui que 'é possível afirmar, com convicção, que inexiste déficit da Previdência Social ou da Seguridade Social' no Brasil

BRASÍLIA - O senador Hélio José (PROS-DF) apresentou nesta segunda-feira, 23, o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Previdência, que investigou as contas do seguro social no País. O texto de 253 páginas conclui que "é possível afirmar, com convicção, que inexiste déficit da Previdência Social ou da Seguridade Social" no Brasil.

Na visão do relator da CPI, os dados e argumentos utilizados pelo governo para propor a reforma da Previdência, em discussão no Congresso Nacional, apresenta "falhas graves" e inconsistências".

"São absolutamente imprecisos, inconsistentes e alarmistas os argumentos reunidos pelo governo federal sobre a contabilidade da Previdência Social, cujo o objetivo é aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 287, de 2016", afirmou o relator da CPI.
PUBLICIDADE

O texto de 253 páginas conclui que "é possível afirmar, com convicção, que inexiste déficit da Previdência Social ou da Seguridade Social" no Brasil Foto: Wilton Junior|Estadão

"O grande argumento do governo em sua empreitada de mudança da previdência se relaciona à questão da existência de um déficit previdenciário perene e explosivo. Trata-se de uma afirmativa que, apesar de repisada pelo governo, não é respaldada por grande parte dos estudiosos", complementou Hélio José.

No relatório, o senador fez uma análise histórica sobre o sistema da seguridade social no Brasil. Na visão do relator, o orçamento da Previdência começou a ser deturpado de forma relevante ainda no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que editou uma Medida Provisória sobre o tema em 2001.

O texto afirma que a MP do governo tucano "atingiu de morte" a "visão sistêmica e integrada" da seguridade social, retirando a possibilidade de "compensação financeira" entre os seus três pilares principais: a saúde a previdência e a assistência social.

"Houve a efetiva desintegração das três áreas. Saúde, Previdência e Assistência Social ganharam uma perversa autonomia tanto financeira quanto de gestão. Entendemos perversa porquanto tal autonomia provocou o desmembramento das áreas, em detrimento de uma ação coordenada e sistêmica", explicou no relatório.

"O chamado Orçamento da Seguridade Social, previsto na Carta Maior, passou a ser apenas numa peça demonstrativa sem qualquer utilidade estratégica", argumentou.

Hélio José dedicou algumas páginas de seu relatório para lembrar da dívida ativa de empresas brasileiras de grande porte, que deixaram de contribuir com a Previdência Social, mas continuam sendo beneficiadas com políticas governamentais.

No texto, ele cita como exemplo o débito da JBS, que tem, segundo a CPI, uma dívida de R$ 2,4 bilhões com o sistema de Seguridade Social. "Está faltando cobrar dos devedores e não querer prejudicar trabalhadores e aposentados, mais uma vez", disse o senador.

Outro argumento utilizado no texto tem como base a criação da Desvinculação de Receitas da União (DRU), em 1994, ainda na gestão FHC. "Uma parcela significativa dos recursos originalmente destinados ao financiamento da Previdência foi redirecionada.

Segundo cálculos da Associação Nacional de Auditores Fiscais da Receita Federal (Anfip), somente entre 2005 e 2014, um montante da ordem de R$ 500 bilhões foi retirado da Previdência via DRU", criticou o senador em seu texto.

O relatório final será colocado em votação nas próximas semanas, quando os senadores que compõem a CPI vão analisar a proposta e poder propor emendas à versão do senador Hélio José.

O presidente da CPI da Previdência, senador Paulo Paim (PT-RS), acusou a TV Senado de cortar a transmissão da sessão, durante a leitura do relatório. Isso porque a emissora de televisão do Senado cortou o sinal da CPI e passou a retransmitir audiência pública da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Paim prometeu cobrar explicações do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE).

Fonte: Estadão

domingo, 22 de outubro de 2017

Nova diretoria da Fojebra eleita e empossada durante o IV Enojus

A nova diretoria da Federação Sindical dos Oficiais de Justiça do Brasil (Fojebra), foi eleita em Belém/PA no dia 20/10/2017 e empossada durante o IV Encontro Nacional dos Oficiais de Justiça (Enojus).

O oficialato de Justiça do Brasil está passando por grandes transformações, principalmente em face da modernização e uso de ferramentas eletrônicas no Poder Judiciário, além de ação de governos contra os trabalhadores públicos visando a retirada de direitos históricos.  Assim, além de continuar atuando para conquistar os pleitos históricos do oficialato (aposentadoria especial, porte de arma, carreira de Estado, etc) é necessário agir em conjunto com outras categorias para combater todo tipo de ataque ao serviço público.

Confira abaixo a composição da nova diretoria da Fojebra:

Presidente: EDVALDO DOS SANTOS LIMA JUNIOR (Sindojus-PA);
Vice-Presidente: MARIO MEDEIROS NETO (Aojesp - SP);
Secretária Geral: ASMAA ABDUALLAH HENDAWY (Sindojus-PA);
Secretária Adjunta: FERNANDA PROTASIO VERAS (Sindojus-MA);
Diretor Administrativo: JEAN DE OLIVEIRA GONÇALVES (Sindojus-RS);
Diretor Administrativo Adjunto: VLADIMIR FIGUEIRA GASPAR (Sindojus-RS);
Diretor Financeiro: CÁSSIO RAMALHO DO PRADO (Aojesp);
Diretor Financeiro Adjunto: BENEDITO VENÂNCIO DA FONSECA JÚNIOR (Sindojus-PB);
Diretor Jurídico: GUSTAVO LUIZ FRANCISCO DE MACÊDO (Sindojus-AL);
Diretor Jurídico Adjunto: ALFREDO FERREIRA MIRANDA NETO (Sindojus-PB);
Diretor de Assuntos Legislativos: JOSELITO BANDEIRA VICENTE (Sindojus-PB);
Diretor de Assuntos Legislativos Adjunto: GERALDO MAJELA ONIVES DE MATTOS (Sindojus-AP);
Diretor de Políticas Sindicais: CÍCERO PEREIRA DOS SANTOS FILHO (Sindojus-AL);
Diretor de Políticas Sindicais Adjunto: MARCO ANTÔNIO SOARES DE ALBUQUERQUE (Sindojus-PE);
Diretor Social e de Eventos: MARIEDA JOSÉ MANCILHA RODRIGUES (Sindojus-AM);
Diretor Social e de Eventos Adjunto: JULIANO COSTA BEZERRA (Sindojus-RN);
Diretor de Comunicação: AMAURI S. FERNANDES (Assojepar);
Diretor de Comunicação Adjunto: ERNALDO MELLEK (Assojepar).

Fonte: InfoJus BRASIL

Atualizado em 24/10/2017 às 12:52h

Serra gaúcha é escolhida para sediar próximo Enojus

Gramado, na serra gaúcha, foi a cidade escolhida para receber 5ª Edição do Encontro Nacional de Oficiais de Justiça (Enojus), que ocorrerá em 2018. O anúncio foi dado no encerramento da 4º Enojus, realizado em Belém do Pará, nos dias 19 e 20 de outubro. A organização será da Diretoria do Sindojus-RS/Abojeris Sindicato, com o apoio da Federação Sindical dos Oficiais de Justiça do Brasil (Fojebra). As datas e locais específicos ainda serão definidos.

Com informações do Sindojus-RS

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

IV Enojus encerra nesta sexta-feira (20/10)

A 4ª edição do Encontro Nacional dos Oficiais de Justiça do Brasil (Enojus), iniciou na última quinta-feira, dia 19, e encerra a programação nesta sexta-feira, 20, em Belém do Pará. Organizada pelo Sindojus-PA, a edição deste ano teve como tema “O Oficial de Justiça e sua Contribuição no Processo Judicial”.

Ontem, estiveram presentes na abertura, presidida pela vice-presidente do Sindojus-PA, Asmaa Abdullah, o presidente do Sindojus-RS/Abojeris Sindicato, Jean Gonçalves, dirigentes de entidades representativas de outros estados e o presidente do TJ-PA, Ricardo Nunes. O vice-presidente Vladimir Gaspar e demais dirigentes do Sindojus-RS/Abojeris Sindicato também estão no evento, onde encontram-se cerca de 50 Oficiais de Justiça do RS.

"Foi uma honra compor a mesa de abertura neste encontro que aproxima Oficiais de Justiça de todas as regiões do país, algo vital para o nivelamento de informações, coesão dos OJs de todo o Brasil e fortalecendo a Categoria. Os dirigentes do Sindojus do Pará estão de parabéns pele grandiosidade do evento”, afirmou o presidente Jean.

O 4º Enojus também reúne Desembargadores, Juízes, Defensores Públicos, Conselheiros do CNJ, Policiais Militares e servidores do Tribunal de Justiça do Pará, dentre estes palestrantes. As palestras da programação abordam, em geral, a atuação do Oficial de Justiça e a importância da Categoria para o Judiciário.

Com informações do Sindojus-RS

Diretoria da Fenassojaf realiza primeira reunião neste sábado no Brasília Imperial Hotel

Escrito por jornalista Caroline P. Colombo 

A diretoria da Fenassojaf, empossada no dia 9 de setembro, realiza, neste sábado (21), a sua primeira reunião extraordinária.

Segundo o Edital de Convocação publicado em 21 de setembro, a Diretoria Executiva se reunirá das 10h às 18h, no Brasília Imperial Hotel, localizado no Setor Hoteleiro Sul, Quadra 03, Bloco H, em Brasília/DF.

O objetivo deste primeiro encontro será elaborar um planejamento da gestão 2017-2019.

Clique Aqui para ler o Edital de Convocação da reunião da Diretoria da Fenassojaf 

InfoJus BRASIL: Com informações da Fenassojaf

Representação paraibana é destaque em Encontro Nacional de Oficiais de Justiça

O IV Encontro Nacional dos Oficiais de Justiça do Brasil (Enojus), que teve início ontem na cidade de Belém (PA) e ocorre durante toda esta sexta-feira, sob o tema principal “O oficial de Justiça e suas funções no século XXI”, com a participação de várias autoridades na área jurídica, conta com uma comitiva paraibana das mais representativas, capitaneadas pelos diretores presidente e secretário do Sindojus-PB, Benedito Fonsêca e Joselito Bandeira.

Os filiados, oriundos de várias Comarcas do estado, além da Capital, como Santa Rita, Pedras de Fogo, Cabedelo, Cajazeiras e Princesa Isabel, são Adelson Vasconcelos, Antônio Pinheiro, Diarley Johnson, Ernesto Antônio, Erivaldo Virgolino, Gislaine Soares, Gladys Carvalho, Alcebíades Pimentel, Inácio Júnior, Alcione Meira, Aparecida Cavalcanti e Marisa Toscano.

Essa IV edição do Enojus está sendo organizada pelo Sindicato dos Oficiais de Justiça do Pará (Sindojus-PA), que tem à frente o presidente Edvaldo Lima. Entre os temas constantes na programação, constam: “O Oficial de Justiça e sua Contribuição no Processo Judicial”, “Atividade de Integração”, “Atuação do Oficial de Justiça nos Conflitos Coletivos pela Posse da Terra”, “Constelação: Função Atípica do Oficial de Justiça”, “O Papel do Oficial de Justiça na Efetivação dos Direitos Fundamentais.", entre outros.

Fonte: PB News

Fenassojaf presente no IV Enojus em Belém

O Coordenador da Região Norte da Fenassojaf, Renato da Cruz Xerfan, esteve, nesta quinta-feira (19), na abertura do IV Encontro Nacional dos Oficiais de Justiça do Brasil (ENOJUS), em Belém/PA.

O evento, que acontece até esta sexta-feira (20), reúne Oficiais de Justiça de diversos tribunais estaduais, em um debate sobre o papel da categoria e as funções dos Oficiais no século XXI.

A Fenassojaf acompanhou os debates a convite do Sindicato dos Oficiais de Justiça do Pará (Sindojus-PA).

O Coordenador da Fenassojaf integrou a última atividade do primeiro dia do Enojus e participou da Mesa Redonda que debateu os Projetos e Novos Perfis dos Oficiais de Justiça. Para Renato Xerfan, a participação em eventos que debatem interesses dos Oficiais de Justiça é bastante apropriado, “uma vez que os Oficiais da Justiça Federal possuem interesses e realidades comuns aos dos Oficiais estaduais. Nossa participação foi bastante interessante”, finaliza.

Na foto, Renato, que também é o presidente da Assojaf/PA, está acompanhado do diretor jurídico do Sindojus-PA, Ronaldo Pampolha; do diretor de políticas sindicais, Mário Rosa, além da vice-presidente do sindicato, Asmaa AbduAllah, e o diretor administrativo daquela entidade, Marcelo Augusto. 

Confira a programação do segundo dia do Encontro Nacional dos Oficiais de Justiça (Enojus):


Abertura do IV Encontro Nacional de Oficiais de Justiça no Teatro Maria Sylvia Nunes, na Estação das Docas, em Belém


O VI Encontro Nacional dos Oficiais de Justiça (Enojus) continua nesta sexta-feira (20/10) em Belém (PA), confira abaixo a programação completa de hoje.

Das 09 às 10 horas:
Coronel Leão Braga
Policial Militar
Tema: “Gerenciamento de Crise nas Reintegrações de Posse das Varas Agrárias.”

Das 10:40 às 11:40 horas:
Vanderley de Oliveira Silva
Juiz de Direito
Tema: “O Oficial de Justiça como Pacificador Social.”

Das 13:30 às 14:30 horas:
Dr. Yvone e Dr. Miguel Simas
Setor Médico do TJPA
Tema: “Qualidade de Vida do Oficial de Justiça.”

Das 14:30 às 15:30 horas:
Carlos Eduardo Dias
Conselheiro do CNJ
Tema: “Oficial de Justiça e Suas Funções no Século XXI: Penhora On-line.”

Fonte: InfoJus BRASIL

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

IV Enojus discute papel dos Oficiais de Justiça

Encontro Nacional dos Oficiais de Justiça segue até a próxima sexta-feira, 20, em Belém


Oficiais de Justiça de pelo menos 21 Tribunais Estaduais vieram a Belém para discutir o papel da categoria e suas funções no século XXI. Eles participaram nesta quinta-feira, 19, da abertura do IV Encontro Nacional dos Oficiais de Justiça do Brasil (IV Enojus), que ocorreu no Teatro Maria Sylvia Nunes, localizado na Estação das Docas. Promovido pelo Sindicato dos Oficiais de Justiça do Pará (Sindojus), o evento conta com o apoio do Tribunal de Justiça do Estado do Pará (TJPA) e da Escola Superior da Magistratura do Pará (ESM-PA). Neste primeiro dia, houve quatro palestras e uma mesa redonda sobre temas pertinentes aos profissionais da área.

Durante a abertura do IV Enojus, o presidente do TJPA, desembargador Ricardo Ferreira Nunes, ressaltou o conjunto de peculiaridades da função do oficial de justiça, considerada historicamente nobre. Segundo o presidente, a profissão nasceu nos tempos do direito hebraico, e que inclusive mereceu menção bíblica. “Dou o meu testemunho funcional, colhido ao longo do tempo em que atuei como juiz de direito, sobre o papel fundamental e indissociável deste servidor público tão especial e decisivo à efetividade da prestação jurisdicional. Eventos como este permitem que essa importância ainda seja mais reconhecida e conceituada no exercício do direito e na ação da Justiça”.

Desembargador Ricardo Ferreira Nunes, em discurso na solenidade de abertura do IV ENOJUS

Representando a presidência do sindicato, a vice-presidente do Sindojus, Asmaa AbduAllah, discorreu sobre a busca pelo reconhecimento da importância do papel que os oficiais de justiça exercem. “Nos conscientizamos que não somos apenas o longa manus da Justiça. Hoje sabemos que no exercício de nossa nobre função somos temidos por uns e amados por outros, somos o braço estendido do Estado na aplicação material da lei e da ordem. No decurso de nossa carreira profissional, a magistratura vislumbra, pelos nossos olhos e através de nossos atos processuais, a verdade real sem parcialidade”, afirmou. Asmaa ainda esclareceu que o encontro busca a reflexão coletiva na necessidade de aperfeiçoamento para o bom desempenho das atividades da categoria. 

O presidente da Federação Sindical dos Oficiais de Justiça do Brasil (Fogebra), Mário Medeiros Neto, destacou que a categoria está ganhando maturidade. “Hoje não temos mais aquele personalismo. Aprendemos a nos unir. Aprendemos a atuar acima de qualquer vaidade pessoal para nos interessar pela categoria. O oficial de justiça sempre precisa se reinventar. Afinal, ele é um agente da inteligência do Tribunal de Justiça. Por isso, aproveitem o encontro, pois todos os assuntos são pertinentes ao nosso trabalho”.

Desembargador Milton Nobre, primeiro palestrante do Encontro

O desembargador Milton Augusto de Brito Nobre ministrou a primeira palestra do encontro sobre o tema “O oficial de justiça e a sua contribuição no processo judicial”. O magistrado dividiu a sua explanação em quatro partes: o papel da categoria; comentários sobre duas alterações nas atribuições dos oficiais de justiça no novo Código de Processo Civil (CPC); o Processo Judicial Eletrônico (PJe) e seu impacto na atuação dos oficiais de justiça; e a conclusão da sua fala, destinada a uma projeção da relevância destes profissionais no atual milênio. 

“Eu tenho que ressaltar que no caso dos oficiais de justiça esse encontro é importante porque serve para melhorar a qualidade do serviço público que está sob o encargo do Poder Judiciário. A prestação jurisdicional, que já foi sacralizada, hoje deve ser encarada como um serviço público essencial, em cuja prestação estão todos os seus artífices”, ponderou o desembargador. 

Durante o evento, que segue até a próxima sexta-feira, 20, houve também palestra do juiz André Filocreão sobre a atuação do oficial de justiça nos conflitos coletivos pela posse da terra; da oficial de justiça Carmen Sisnando, que é especialista em Constelação Familiar, e que falou sobre o tema “Constelação: função atípica do oficial de justiça”. Já o defensor público José Arruda ministrou palestra sobre o papel do oficial de justiça na efetivação dos direitos fundamentais. Após as palestras, houve mesa redonda para discutir projetos e novos perfis dos oficiais de justiça. 

Medalha - Na ocasião, houve entrega da comanda sindical, em forma de reconhecimento do Sindojus, ao desembargador Milton Nobre, pela criação do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR) do TJPA e pela modernização do Judiciário paraense durante a sua gestão, no biênio 2005-2007; à desembargadora Raimunda Noronha, pela reestruturação no quadro dos Oficiais de Justiça durante a sua gestão, no biênio 2011-2013; e ao desembargador Constantino Augusto Guerreiro, que foi representado pelo secretário-geral da ESM, Aníbal Pinheiro, pela promoção e desenvolvimento profissional advindos da sua gestão, no biênio 2015-2017. 


Epaminôndas Gustavo, personagem do juiz Cláudio Rendeiro, durante performance no Encontro


Apresentação cultural – Durante a abertura do encontro, houve apresentação do personagem Epaminondas Gustavo, interpretado pelo juiz Claudio Rendeiro. Trata-se de um personagem inspirado em pessoas simples, que brinca com a linguagem e sotaque do caboclo paraense.

Programação - Na próxima sexta-feira, 20, haverá palestra sobre gerenciamento de crise nas reintegrações de posse das Varas Agrárias ministrada pelo coronel Leão Braga. Após, o médico do TJPA, Miguel Simas, e a psicóloga Yvone de Oliveira, falarão sobre a qualidade de vida do oficial de justiça. Já o juiz Vanderley de Oliveira Silva discorrerá sobre o oficial de justiça como pacificador social. A programação termina com a palestra do membro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Carlos Eduardo Dias, que falará sobre o oficial de justiça e suas funções no século XXI.

InfoJus BRASIL: Com informações do TJPA

Começa, em Belém, o 4º Encontro Nacional dos Oficiais de Justiça do Brasil

O IV Encontro Nacional dos Oficiais de Justiça do Brasil (Enojus) começou nesta quinta-feira (19) em Belém (PA), no Teatro Maria Silvia Nunes, Estação das Docas. Neste ano, o tema é “O Oficial de Justiça e suas atribuições no século XXI”. O evento é uma realização do Sindicato dos Oficiais de Justiça do Pará (Sindojus-PA) e tem o apoio da Federação dos Oficiais de Justiça Estaduais do Brasil (Fojebra).

A vice-presidente do Sindojus-PA, oficiala de Justiça Asmaa Abdullah, presidiu a abertura do encontro representando o presidente do Sindojus-PA, Edvaldo Lima, que se encontra sob repouso e por recomendação médica não pode comparecer no primeiro dia do evento.

A primeira palestra foi do Conselheiro do CNJ e Desembargador do TJPA Milton Nobre com o tema “O Oficial de Justiça e sua Contribuição no Processo Judicial”.

O encontro é realizado hoje e amanhã e conta com a participação de oficiais de Justiça de vários Estados de todo o país.


Segue abaixo a programação completa do primeiro dia do Enojus (19/10):

Das 09:00 às 10:00 horas:
Milton Nobre
Desembargador do TJPA e Conselheiro do CNJ
Tema: “O oficial de Justiça e sua Contribuição no Processo Judicial.”

Das 10:40 às 11:40 horas:
André Filocreão
Juiz de Direito
Tema: “Atuação do Oficial de Justiça nos Conflitos Coletivos pela Posse da Terra.”

Das 13:30 às 14:30 horas:
Carmem Sisnando
Oficiala de Justiça
Tema: “Constelação: Função Atípica do Oficial de Justiça.”

Das 15:00 às 16:00 horas
José Arruda
Defensor Público
Tema: “O Papel do Oficial de Justiça na Efetivação dos Direitos Fundamentais.”

Das 16:00 às 18:30 horas
Mesa Redonda
Tema: “Discussão, Projetos e Novos Perfis do Oficial de Justiça.”

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Proposta de elevação da alíquota previdenciária de 11% para 14% enfrenta resistência do funcionalismo

Em contrapartida à tramitação no Congresso de uma reforma da Previdência mais enxuta, a equipe econômica quer apoio para conseguir aprovar o aumento de contribuição previdenciária dos servidores públicos federais. A proposta de elevação da alíquota de 11% para 14% foi anunciada há dois meses, mas enfrenta resistências do funcionalismo, que tem forte poder de pressão sobre senadores e deputados. O projeto nem mesmo chegou ao Congresso.

O governo considera fundamental a medida para começar a reforma no funcionalismo e quer garantias de que o projeto será aprovado até o fim do ano para entrar em vigor em 2018. Para começar a valer o aumento da alíquota, é necessário o cumprimento de um prazo de 90 dias.

Como antecipou o Estadão/Broadcast, lideranças políticas começaram a articular com integrantes do governo uma emenda aglutinativa, espécie de texto alternativo ao parecer do deputado Arthur de Oliveira Maia (PPS/BA) aprovado em uma comissão especial da Casa em maio. A apresentação da emenda será feita logo após a votação da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer na Câmara dos Deputados. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, já havia admitido em agosto a possibilidade de redução da proposta de reforma da Previdência. 

Antes de embarcar para o evento do Fundo Monetário Internacional (FMI) na semana passada, Meirelles se reuniu com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e com o relator Arthur Maia para discutir a alternativa. Padilha reconheceu na reunião que seria possível aprovar uma idade mínima para aposentadoria, regra de transição para quem já teria o tempo mínimo de contribuição. O ponto inegociável, segundo o governo, é manter a idade mínima de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens. Mas as lideranças querem fazer ajustes no tempo mínimo de contribuição (de 25 anos, pelo texto da comissão) e na regra de transição.

A Fazenda diz que o governo prossegue as conversas sobre a reforma desde a aprovação do relatório, na comissão especial, em maio. Segundo a Fazenda, não há decisão tomada sobre possíveis mudanças no texto.

com o Estadão

Encontro Nacional dos Oficiais de Justiça começa nesta quinta-feira (19/10)


O IV Encontro Nacional dos Oficiais de Justiça (IV Enojus) será realizado em Belém nos dias 19 e 20 de outubro. O encontro é promovido pelo Sindicato dos Oficiais de Justiça do Pará (Sindojus-PA) e tem o apoio da Federação Sindical dos Oficiais de Justiça Estaduais do Brasil (Fojebra).

O evento contará com a participação de várias autoridades na área jurídica e terá como tema "O oficial de Justiça e suas funções no século XXI"

Maiores informações no site do evento: http://www.enojuspa.com.br/

Confira abaixo o vídeo com a lista dos palestrantes:

Confraternização celebra 25 anos do Sindicato dos Oficiais de Justiça do Ceará

Feijoada será realizada no dia 10 de dezembro, de 12h às 19h, no bosque do Marina Park Hotel. A animação ficará por conta das bandas Samba Mix, Cuscuz com ovo e Os Alfazemas

A confraternização dos oficiais e oficialas de Justiça – um dos eventos mais esperados do ano – está se aproximando. Vai ser uma feijoada no dia 10 de dezembro, de 12h às 19h, no bosque do Marina ParkHotel. A animação ficará por conta das bandas Samba Mix, Cuscuz com ovo e Os Alfazemas, com muito samba, forró, brega e diversos outros estilos que prometem não deixar ninguém parado.

Além das conquistas alcançadas em 2017, neste ano a categoria tem um motivo a mais para comemorar: o aniversário de 25 anos do Sindicato dos Oficiais de Justiça do Ceará (Sindojus-CE). Ao longo de sua história, a entidade obteve feitos históricos, possibilitando condições mais dignas de trabalho e maior qualidade de vida, a partir da melhoria salarial e dos ganhos que vem conquistando ano após ano. Hoje, é consolidado como entidade forte, de luta, o que só foi possível graças à garra e união de toda a categoria.

Hospedagem

Para possibilitar que todos possam participar, será disponibilizado um espaço infantil com pula-pula e animadores para alegrar a criançada. Quem tiver interesse de ficar hospedado no Marina Park Hotel terá direito a desconto de 15%. As reservas serão feitas, via Sindojus, até o dia 1º de novembro (por causa do período de alta estação).

Entrada

Diferente das edições anteriores, neste ano não será distribuído ingresso. Em vez disso, oficiais e oficialas sindicalizados deverão entrar em contato com a secretaria do Sindicato informando o nome completo e o de seus convidados para que conste o nome na lista. Na entrada, cada pessoa receberá uma pulseira de acesso ao evento. Cada sindicalizado tem direito ao seu ingresso e mais dois acompanhantes. A entrada só será permitida mediante apresentação do documento de identidade na entrada da festa.

Quem tiver interesse, poderá adquirir mais entradas. O preço é de R$ 80,00 – custo por pessoa na festa. Os convidados irão dispor de comida e bebida (água, suco, refrigerante, cerveja e uísque) à vontade. Você, oficial e oficiala de Justiça, não podem ficar fora dessa. A festa é de todos nós, vamos juntos celebrar!

Conheça um pouco do repertório de cada atração:
Samba Mix – AQUI
Cuscuz com ovo – AQUI
Os Alfazemas – AQUI

Serviço:
Confraternização dos Oficiais de Justiça
10 de dezembro (domingo)
12h às 19h
Bosque do Marina Park Hotel

Mais informações: (85) 3273.3300 / (85) 99981.0689 / (88) 99912.0071

InfoJus BRASIL: Com informações do Sindojus-CE

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Moraes determina votação aberta no Senado sobre cautelares a Aécio

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, determinou que o Senado faça votação aberta sobre as medidas cautelares impostas pela corte ao senador Aécio Neves (PSDB-MG). O ministro diz que deve prevalecer o princípio da publicidade e que o artigo do Regimento Interno do Senado que permite o voto secreto no caso de prisão em flagrante de parlamentar não foi recepcionado pela Constituição. A votação do caso Aécio Neves no Senado está prevista para esta terça-feira (17/10).

Supremo determinou que Aécio Neves seja afastado do Senado e entregue passaporte.

"A votação ostensiva e nominal dos representantes do povo, salvo raríssimas exceções em que a própria independência e liberdade do Congresso Nacional estarão em jogo, é a única forma condizente com os princípios da soberania popular e da publicidade", afirmou o ministro na decisão liminar, acolhendo um mandado de segurança apresentado pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Na ação, Randolfe afirmou que o presidente do Senado Federal, Eunício Oliveira (PMDB/CE), teria dito à imprensa que, na votação do caso Aécio Neves, pretende seguir o Regimento Interno da Casa, que, em seu artigo 291 (inciso I, alínea ‘c’), determina que a votação seja secreta.

Randolfe aponta que o Regimento Interno contraria a Constituição Federal. Segundo ele, a Constituição de 1988 previa a votação secreta no caso de prisão em flagrante de parlamentar, mas o vocábulo "secreto" foi excluído do texto pela Emenda Constitucional 35/2001.

Para reforçar sua tese, o senador lembrou o precedente do caso do ex-senador Delcídio do Amaral, quando o ministro Edson Fachin, no MS 33.908, determinou, em novembro de 2015, que o Senado Federal usasse o voto aberto para decidir sobre a manutenção da prisão do então parlamentar, decretada pelo Supremo.

Ao analisar o pedido de liminar, o ministro Alexandre de Moraes afirmou que a partir da nova redação da EC 35/2001, a votação deve ser aberta, ostensiva e nominal. Para ele, não há dúvida sobre a não recepção do Regimento Interno do Senado quanto ao voto secreto por incompatibilidade com a Constituição.

Moraes ressaltou que o princípio da publicidade consagrado constitucionalmente somente poderá ser excepcionado quando o interesse público assim determinar, pois o eleitor tem o direito de pleno e absoluto conhecimento dos posicionamentos de seus representantes.

"Diferentemente do eleitor, que necessita do sigilo de seu voto como garantia de liberdade na escolha de seus representantes, sem possibilidade de pressões anteriores ou posteriores ao pleito eleitoral, os deputados e senadores são mandatários do povo e devem observar total transparência em sua atuação, para que a publicidade de seus votos possa ser analisada, refletida e ponderada pela sociedade nas futuras eleições, no exercício pleno da cidadania", afirmou.

Votação no Senado

Os senadores devem votar nesta terça-feira (17) o ofício do Supremo Tribunal Federal com as medidas cautelares contra o senador Aécio Neves. A votação vem após o STF ter decidido, na última quarta-feira (11/10), que medidas cautelares previstas no Código de Processo Penal e impostas a parlamentares têm de ser submetidas à análise da respectiva Casa legislativa (Câmara ou Senado) quando impedirem ou dificultarem o exercício do mandato.

A decisão do STF foi tomada no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5.526, ajuizada pelos partidos Progressista (PP), Social Cristão (PSC) e Solidariedade (SD) no ano passado, após o afastamento do ex-deputado Eduardo Cunha do seu mandado, quando ele ainda exercia a presidência da Câmara.

O entendimento do Supremo será, agora, aplicado à decisão da 1ª Turma do STF, que, há duas semanas, determinou o afastamento do senador Aécio Neves do mandato e o seu recolhimento domiciliar noturno. Antes mesmo da definição do Supremo, o Plenário do Senado já havia marcado para o dia 17 a análise da Casa sobre o assunto.

Clique aqui para ler a liminar.
MS 35.265

InfoJus BRASIL
Fonte: Revista Consultor Jurídico

Sindicato pede redução e compartilhamento da frota oficial de veículos do TJ-PB

Foto: Arquivo
O Sindicato dos Oficiais de Justiça do Estado da Paraíba requereu ao presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba, desembargador Joás de Brito Filho, a expedição de ato normativo que compartilhe e reduza em 50% a frota de veículos oficiais destinados aos desembargadores e regulamente o seu uso, em cumprimento assim, à íntegra da Resolução 83 do Conselho Nacional de Justiça.

“O pedido se fundamenta na conjuntura hodierna de limitações financeiras, reveladas pelo Comitê Orçamentário criado pelo próprio TJ-PB”, destacaram os diretores presidente, jurídico e de mobilização e imprensa, Benedito Fonsêca, Alfredo Miranda e Noberto Carneiro.

O Sindojus-PB considera dispendioso e desnecessário para a administração o fato de cada desembargador ter à sua disposição um veículo automotivo, no que classifica como um verdadeiro desperdício do erário.

Redirecionamento de recursos

Para o Sindicato, o atendimento ao pedido denotará apreço aos princípios republicanos que regem a administração pública, além de uma demonstração de humildade do Tribunal em se desprover de benefício que gera grande despesa, bem como, de contribuir com o zelo do patrimônio público, vez que os respectivos recursos financeiros poderão ser redirecionados para outros fins de interesse público e de maior pertinência.

Ao final, os diretores subscritores do pedido reafirmaram diante da presidência do TJ-PB o compromisso de juntos, envidarem esforços para erigir um Judiciário capaz de otimizar a prestação de serviços com a eficácia e qualidade que os jurisdicionados buscam e merecem.

InfoJus BRASIL: Com informações do Sindojus-PB

Postagens populares

Vídeos: FENOJUS

Loading...