terça-feira, 3 de março de 2015

Paulo Bernardo foge do oficial de Justiça, enquanto Gleisi aguarda a lista dos políticos do Petrolão

Do Ucho

Helena Hoffmann e Paulo Bernardo da Silva. Até o ano passado, a senadora era ministra-chefe da Casa Civil de Dilma Rousseff, onde desfilou sua conhecida incompetência, a qual à época mereceu destaque por parte do peemedebista gaúcho Nelson Jobim, então ministro da defesa. No caso do marido, Paulo Bernardo, foi responsável pelo Ministério das Comunicações no primeiro governo da “companheira” Dilma, que no novo mandato lhe deu cartão vermelho.

Contudo, o ano de 2015 só trouxe desgostos, por enquanto, para o “casal 20” do Paraná. Paulo Bernardo não ganhou um ministério, não conquistou a sonhada sinecura na binacional Itaipu e não conseguiu sequer um assento em conselho de estatal. Pior ainda é a situação de Gleisi, apontada pelos primeiros delatores do Petrolão (Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef) como beneficiária do esquema (R$ 1 milhão em dinheiro vivo). Diante da grava acusação, a senadora petista passou a aguardar, com expectativa e tensão crescente, a divulgação da lista dos políticos envolvidos no esquema de corrupção investigado pela Operação Lava-Jato, da Polícia Federal. Mesmo assim, a parlamentar tem certeza que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, lhe reservou lugar especial na lista de envolvidos no Petrolão.

Pior ainda é a situação de Paulo Bernardo, agora sem emprego e sem foro privilegiado. O ex-ministro foi convocado como testemunha de defesa de Ricardo Pessôa, presidente da empreiteira UTC e apontado como chefão do chamado “Clube do Bilhão”, grupo de empreiteiras cujo objetivo era sangrar os cofres da Petrobras e pagar propinas a políticos.

Entre 2005 e 2010, ou seja, antes da chegada de Dilma ao principal gabinete do Palácio do Planalto, Paulo Bernardo foi ministro do Planejamento de Lula, posição que lhe permitia acionar o botão das grandes obras do governo federal, algumas das quais estão sob investigação do Ministério Público Federal e da PF. É fácil entender porque o ex-ministro está sem entusiasmo para depor em defesa do homem forte da UTC.

Nos últimos dias, Paulo Bernardo está em algum lugar incerto e não sabido. O oficial de Justiça João Augusto Sapia, designado pelo juiz Sergio Federal Moro, responsável pelos processos decorrentes da Lava-Jato, para intimá-lo não conseguiu encontrar o petista. Bernardo foi arrolado como testemunha de defesa do presidente da UTC Engenharia, mas no endereço informado o zelador do prédio disse que o petista não morava mais lá. Cabe agora à defesa apontar o endereço correto para que Paulo Bernardo possa ser ouvido como testemunha. O depoimento dele está agendado para o dia 5 de março, às 11 horas da manhã.

Fonte: www.bemparana.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente:

Postagens populares

Vídeos: FENOJUS

Loading...