domingo, 7 de dezembro de 2014

Colegas de profissão lamentam morte de oficial de justiça em velório

Oficial de Justiça Ricardo Varjão, 26 anos, foi morto na noite da última sexta.
Testemunha diz que não pareceu assalto. Vítima foi alvejada com dois tiros.



A morte do oficial de Justiça Ricardo Varjão, 26 anos, mobilizou o Sindicato de Oficiais de Justiça do Estado do Pará. Durante o velório, colegas de profissão lamentaram a tragédia. O oficial de justiça foi morto na noite da última sexta-feira (5), no cruzamento da travessa Rui Barbosa com a avenida Braz de Aguiar.

O velório foi realizado em uma capela particular no bairro do Guamá, em Belém, e reuniu familiares e muitos colegas de profissão de Ricardo. "Todo mundo está desolado com uma perda tão trágica, ainda mais da maneira como aconteceu", disse o oficial de justiça Mário Rosa. Por volta das 15h30, o corpo saiu em cortejo até um cemitério particular em Marituba.

Saiba mais


Ricardo foi nomeado para o cargo em setembro do ano passado, foi lotado no polo de Abaetetuba e trabalhava no município de Barcarena. Há pouco mais de um ano entrou para a Guarda de Nossa Senhora de Nazaré. "Ele, como todos nós, participava das reuniões, era muito querido na Guarda", disse o diácono Miguel Pinto.

O caso chamou a atenção do Sindicato. Em todo o estado, são cerca de 700 oficiais de justiça, 350 atuam na região metropolitana de Belém. Destes, pelo menos 40 já sofreram algum tipo de agressão física ou verbal. Cinco morreram nos últimos anos.

"Oficiais de justiça estão sendo alvejados, executados fora do seu expediente normal, e várias investigações já comprovaram que tem ligação com o trabalho. Então não vamos descartar, vamos cobrar do Estado uma resposta, para verificar se esse caso não foi reflexo da atuação dele em uma ordem judicial", afirmou o presidente do Sindicato da categoria, Edivaldo Lima.

"Desde ontem estamos empreendendo diligências no sentido de angariar elementos informativos, para que, com certeza, nós possamos dar uma resposta", afirmou a delegada Cristina Esteves.

InfoJus BRASIL: Com informações do Portal G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente:

Postagens populares

Vídeos: FENOJUS

Loading...