segunda-feira, 3 de julho de 2017

Homem que ameaçou queimar juíza viva com gasolina é julgado em SP

Começou, na manhã desta segunda-feira (3), o julgamento de Alfredo José dos Santos, que ficou conhecido por ameaçar a queimar com combustíveis a juíza Tatiana Moreira Lima, da Vara de Violência Doméstica do Fórum Regional do Butantã, na zona oeste da capital paulista.

O julgamento é realizado desde as 10h, no 5º Tribunal do Júri de São Paulo, no Fórum da Barra Funda, no centro.

Marlene Bergamo/Folhapress

A juíza Tatiane Lima, no centro, que foi feita refém no fórum do Butantã, na zona oeste da capital

Santos é acusado de duas tentativas de homicídio –contra a própria juíza e mais um vigilante do fórum. O julgamento é presidido pelo juiz Adilson Paukoski Simoni.

O crime aconteceu em março do ano passado. De acordo com a denúncia, a juíza teve seu corpo banhado por gasolina e diesel e foi feita refém em seu próprio gabinete por Santos, que tinha um processo analisado pela magistrada.

Ela foi salva por um tenente da Polícia Militar em um tenso processo de negociação.

O acusado invadiu as dependências do fórum pela saída, fato que o impediu de ser revistado. Na ocasião, ele portava uma bolsa com explosivos e produtos inflamáveis. No percurso até a sala da magistrada, ele derramou líquido inflamável e ateou fogo no prédio. Um segurança do fórum chegou a atirar contra ele, mas o tiro não acertou o acusado.

Já na sala da magistrada, Alfredo imobilizou a vítima pelo pescoço, jogou produtos inflamáveis sobre si e no corpo dela e a forçou a dizer que ele era inocente. A todo o momento, ele ameaçava acionar um isqueiro com intenção de queimar a juíza.

"Ele me segurava forte e me esfregava naquilo [líquido inflamável]. E ele dizia sempre: eu vim para matar ou para morrer", disse a juíza em entrevista.

RETALIAÇÃO

O suspeito, que fez curso técnico de química, também usava um capacete militar com a inscrição "inocente". Sua roupa tinha dizeres como "fraude processual" escritos a mão.

"Ele me confundiu com outra magistrada. Ele estava ali para passar por uma audiência do processo e não para perder a guarda do filho", disse a magistrada à época.

Santos era funcionário de uma confeitaria e, antes de atacar Tatiana Lima, tinha passagens pela polícia por crimes de menor potencial ofensivo.

InfoJus BRASIL: Com informações do Jornal "Folha de S. Paulo"

4 comentários:

Comente:

Postagens populares

Vídeos: FENOJUS

Loading...