quarta-feira, 28 de agosto de 2013

RIO: oficial de Justiça lacra imóveis de quadrilha de caça-níqueis

Justiça lacra imóveis de quadrilha de caça-níqueis no Rio, a pedido do MP 

Fechamento de 'fortaleza do bicho' faz parte da operação 'Perigo Selvagem'.

Vinte e três pessoas foram presas na ação, segundo o MP, incluindo PMs.



Oficial de Justiça lacra imóvel conhecido como a 'fortaleza do bicho' (Foto: Henrique Porto / MPRJ)

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) conseguiu na Justiça, nesta terça-feira (27), a interdição de três imóveis em Bangu, na Zona Oeste do Rio, que eram usados por uma quadrilha envolvida na exploração de caça-níqueis. Os locais foram lacrados por um oficial de Justiça, com o apoio de policiais do 14º BPM (Bangu).

Promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do MP-RJ haviam pedido na quinta-feira (22) o fechamento dos imóveis, identificados na operação "Perigo Selvagem", deflagrada na quarta-feira (21). Vinte e três suspeitos foram presos, na ação, incluindo PMs.
Casa é conhecido como a 'fortaleza do bicho'
(Foto: Henrique Porto / MPRJ)

No prédio conhecido como "fortaleza do bicho", no número 1.040 da Rua Fonseca, o contraventor Castor de Andrade comandou o jogo do bicho por 19 anos. A casa, que estava vazia, já havia sido fechada e voltou a funcionar várias vezes.

O MPRJ obteve também a suspensão das atividades da empresa Ivegê, controlada por Fernando Iggnácio, que tinha sede e filiais nos três endereços fechados — os outros dois são no número 1.270 da Avenida Cônego de Vasconcelos; e no 696 da Rua Agrícola.


Segundo o Coordenador do Gaeco, Cláucio Cardoso da Conceição, a casa principal era registrada como uma empresa de diversões eletrônicas, mas pratica uma atividade ilegal. "Infelizmente, a prática tem mostrado que esses setores acabam se reorganizando e retomando as atividades ilícitas. É preciso que as autoridades, então, se coordenem, para que a atividade de repressão seja mais intensa no sentido de coibir ou minimizar a prática criminosa", disse.


Polícia apreendeu R$ 500 mil na operação
(Foto: Lívia Torres/G1)

O Procurador Antônio Carlos Biscaia era o procurador-geral de Justiça em 1994 quando comandou a operação Mãos Limpas, que desmontou a fortaleza do jogo do bicho que funcionava no mesmo local. Na época, a empresa já estava em nome de Fernando Iggnácio, genro de Castor de Andrade, um dos principais alvos da operação Perigo Selvagem.

Segundo o procurador, na prática, o esquema dos bicheiros nunca foi desmontado. "Basta que se veja o resultado dos processos. Em todos os processos, o número de condenados foi muito pequeno em relação àqueles que estavam diretamente envolvidos. Um ousadia plena, que no mesmo local permaneça uma atividade criminosa", disse

De acordo com balanço parcial da ação, divulgado pelo Ministério Público (MP-RJ), foram apreendidas mil máquinas caça-níqueis, 59 carros, R$ 500 mil em espécie, além de aparelhos digitais de identificação biométrica, notas promissórias e computadores. Um revólver e duas pistolas, 134 munições, três carregadores e uma luneta para fuzil também foram encontrados.

A operação Perigo Selvagem, realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) e Polícia Militar. Entre os presos estão o tenente-coronel Marcelo Bastos Leal e o capitão Walter Colchone Netto, ambos da PM, além de outros sete policiais militares [veja a lista no fim da reportagem], quatro ex-PMs e dois agentes penitenciários.

Marcelo Bastos Leal era o responsável pela segurança da quadrilha e também recrutava outros PMs, segundo o MP. Há informações também de um desvio de R$ 700 mil na quadrilha.

A operação efetua também 76 mandados de busca e apreensão. Os acusados atuavam em Bangu, Realengo e Campo Grande, além de outros bairros da Zona Oeste, e Marechal Hermes, no Subúrbio.

A investigação começou há um ano e foi usado monitoramento ambiental, de escutas telefônicas, emails, entre outras. Segundo o MP, as pessoas que não podiam pagar a dívida, eram obrigadas a assinar uma nota promissória.

De acordo com o promotor Décio Alonso, um tenente-coronel e capitão da PM davam proteção à quadrilha de contraventores do jogo do bicho. “Eles já foram denunciados tanto na Vara Criminal de Bangu quanto na Auditoria da Justiça Militar Estadual”, afirmou o promotor.A quadrilha utilizava as instalações da empresa Ivegê, em Bangu, de propriedade do contraventor Fernando Iggnácio, como quartel-general da quadrilha.

Segundo o comandante geral da PM, José Luís Castro, foram apreendidos 600 máquinas caça níqueis, 500 monitores, 58 veículos, R$ 300 mil e foram cumpridos 78% dos mandados.

Todos são acusados de fazer parte do esquema de segurança de Fernando Iggnácio. A casa do contraventor, em São Conrado, Zona Sul da cidade, estava cercada por policiais por volta das 7h50 desta quarta.

A operação conta com cerca de 400 homens do MP e da Polícia Militar, com o apoio de cerca de cem viaturas e dois helicópteros.
 
Fonte: G1 - Rio de Janeiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente:

Postagens populares

Vídeos: FENOJUS

Loading...