quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Após trabalho da Fenojus, PLC 30/2007 é desapensado e volta para a CRE do Senado Federal

Plenário do Senado Federal

Depois de várias ida e vindas e um trabalho intenso de bastidores dos diretores da Fenojus junto aos senadores, o PLC 30/2007, que trata do porte de arma institucional para os Oficiais de Justiça, foi desampensado do PLC 152/2015 na tarde noite do dia 16/08. Essa situação se deu em razão de ter sido votado pelo plenário um requerimento do líder do governo no senado, senador Romero Jucá. 

Agora o projeto de lei de porte de arma retorna para a Comissão de Relações Exteriores - CRE, cujo presidente é o senador Fernando Collor, para a sua regular tramitação. Aprovado nesta Comissão, o PLC 30 estará pronto para ser votado, definitivamente, no plenário da casa.

Na ocasião da votação do requerimento do senador Romero Jucá encontravam-se nos bastidores do plenário os diretores João Batista, Presidente e o Diretor para Assuntos Legislativos, Luiz Artur. 

Diretor Luiz Artur e o Presidente João Batista da Fenojus

O presidente João Batista assim falou após a aprovação do requerimento: “pelas nossas expectativas esperamos que o PLC 30 seja votado, em definitivo, até o final deste semestre. Os trabalhos da Fenojus continuará e, já a partir de agora, visitaremos cada gabinete de senador para que essa expectativa seja concretizada e quando o projeto for a plenário seja aprovado sem maiores problemas.”

Para acompanhar a tramitação do PLC 30/2007 clique no link abaixo:


Fonte: Fenojus

7 comentários:

  1. Parabéns colegas! O trabalho está sendo bem feito!! Dez anos de tramitação por um direito nosso! Quem trabalha nas ruas sabe os perigos da nossa profissão!!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns a todos ! realmente foi muito difícil chegar até onde o PLC 30/2007 está ! Que fique marcado como uma obra de muita insistência do diretor João Batista, que está sendo a face do oficial de justiça na casa do povo. E parabéns também DINO pelas postagens, acompanho você antes mesmo de eu ter sido nomeado oficial de justiça!

    ResponderExcluir
  3. Vamos em busca de nosso porte. Temos que nos unir para aprovação logo desse projeto de lei.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo trabalho!! Entretanto, vejo a diferença de tratamento que é dispensada à nossa categoria. O nosso projeto ainda vai voltar à CRE para ser apreciado e depois vai a Plenário.
    O projeto de porte de arma dos agentes de trânsito sequer tramitou em qualquer comissão e já vai ser votado em turno único no Plenário do Senado.
    Nosso projeto tramita há quase 6 anos Senado e os dos agentes de transito tramita há ano e já vai a Plenário para ser aprovado.

    ResponderExcluir
  5. E o pior é que agente de trânsito é uma carreira nova e sem expressão, pois só aplica "multas administrativas" e "não prendem ninguém" e não praticam atos de constrição (cargos de escolaridade de nível médio), não vinculado as forças de segurança pública, não sei como conseguiram essa tramitação rápida. Sou contra o porte de armas deles, pois não os vejo como categoria de risco.

    Já o cargo de oficial de justiça (agente executor da lei) que atua na área penal e cível, realizando prisões e apreensões de pessoas e de bens, é muito mais importante, no entanto, essa demora injustificável.

    A meu ver, o grande culpado disso tudo é o próprio judiciário através de seus magistrados arrogantes (egoístas) que não nos respeitam como categoria e nunca nos apoiam em nada, acham que somos seus lacaios.

    Mas com certeza, com a força de nossos sindicatos isso está mudando com a união dos OJ do Brasil.

    ResponderExcluir
  6. É Verdade!! O próprio Judiciário boicota o Oficial de Justiça.
    Espero que haja mudança.

    ResponderExcluir
  7. Lembrando que o PLC 30/2007 já passou pelo CRE em 2008, 2010 e 2016 e todas as vezes que esteve nessa comissão, um senador gente boa sempre apresentava um requerimento para atravancar a tramitação do projeto.

    ResponderExcluir

Comente:

Postagens populares

Vídeos: FENOJUS

Loading...