quinta-feira, 9 de agosto de 2012

RIO: Colégio St Patrick’s é despejado do Leblon

 
Oficial de Justiça esteve no local na quarta-feira
Pais foram informados apenas de que não haverá aulas nesta quinta e na sexta-feira
RIO - Pais de alunos do Colégio St Patrick’s, no Leblon, foram pegos de surpresa na quarta-feira, quando os filhos chegaram em casa com um comunicado explicando que, “por motivos técnico-administrativos”, as aulas desta quinta-feira e de sexta estavam suspensas. O que muitos não sabem é que a escola não deve mais abrir as portas. O imóvel é alvo de uma batalha judicial há três anos. Herdeiros da propriedade entraram com uma ação contra o dono do colégio — que pertence à mesma família e tem direito a um sétimo do imóvel — alegando inadimplência no pagamento de aluguéis. Na quarta-feira, um oficial de Justiça esteve no local, e as chaves da propriedade foram entregues aos autores da ação, como adiantou Lu Lacerda em seu blog .

Números divulgados pelo censo escolar anual do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) já mostravam que o colégio enfrentava dificuldades. O St Patrick’s recebeu em 2011 49 alunos, da educação infantil ao ensino médio.

O dono do colégio morava em parte da propriedade e também teve que sair do imóvel, que tem dois andares. Segundo Osmar Berardo Carneiro da Cunha Filho, advogado dos autores da ação, os móveis poderão ser retirados aos poucos. Cunha Filho disse que não cabe mais recurso para o réu recuperar a propriedade, mas ainda está em discussão o valor da dívida em aluguéis. Procurado na escola e por telefone, nenhum representante do St Patrick’s comentou o assunto.

Em setembro de 2011, uma decisão da 5ª Câmara Cível já exigia a desocupação do imóvel até dezembro. Diante da desobediência, no último dia 25 foi expedido um mandado de despejo.

Roberto Pedrosa, pai de um aluno do 7º ano e morador do Leblon, se mostrou assustado com a possibilidade de fechamento do colégio:

— Não tinha ideia do processo. Meu filho estava matriculado no colégio desde o início do ano e estava muito entrosado. Cheguei a achar estranho só haver seis alunos em sua turma, mas ao mesmo tempo acreditava que ele teria mais atenção dos professores. Não sei como farei para matriculá-lo em outra escola no meio do ano letivo.

Evelyn Rosenzweig, presidente da Associação de Moradores do Leblon, lamentou o fim do colégio:

— Já quase não temos escolas no bairro. Perder o conjunto arquitetônico para um prédio será uma pena.

Fonte: O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente:

Postagens populares

Vídeos: FENOJUS

Loading...